Amando Alguém Invisível

Vocês nunca O viram, mesmo assim O amam. Vocês ainda não O veem, no entanto confiam nEle – com alegria e cânticos. 1 Pedro 1:8, The Message

Você já ouviu os críticos do cristianismo dizerem algo como: “Vocês falam sobre amar a Deus, mas isso é tolice. Já é difícil amar alguém que podemos enxergar; como esperam que amemos alguém invisível?”

Soa um argumento convincente, mas, na realidade, não é. A melhor resposta que já ouvi veio de Jennifer, que costumava sentar, semana após outra, na classe de Escola Sabatina que eu liderava ocasionalmente. Jennifer é deficiente visual de nascença.

Certa manhã, coloquei em discussão o velho tema de amar alguém que não podemos ver.

– Como assim? Isso não é problema de forma alguma – respondeu Jennifer. – Eu nunca o vi, pastor Johnsson, mas o conheço. Ouço sua voz; você fala comigo e eu falo com você. Toda vez que ouço sua voz, sei que é você, mesmo que não esteja falando comigo. Não precisamos enxergar a pessoa para conhecê-la ou amá-la. O mesmo ocorre com Deus.

Que resposta! Não podemos ver Deus, mas podemos falar com Ele. Chamamos isso de oração. Deus, por Sua vez, fala conosco de diversas maneiras, especialmente através de Sua Palavra. Por isso é tão importante dedicar tempo para estudar a Bíblia (e não lê-la com pressa ou por obrigação).

Conhecemos uma pessoa ao dedicarmos tempo para conversar com ela. Uma conversa real é uma avenida de mão dupla: falar e ouvir. Quanto mais partilharmos com ela e ela conosco, mais familiarizados nos tornamos.

O mesmo acontece na vida cristã. Deus é real, não o fruto da imaginação. Jesus Cristo ressuscitou dentre os mortos e está vivo para todo o sempre. Podemos conhecê-Lo tão bem quanto a um amigo. Na verdade, Ele pode tornar-Se nosso melhor amigo, se permitirmos.

A Bíblia usa a palavra “conhecer” milhares de vezes tanto no Antigo quanto no Novo Testamento. Embora essa palavra às vezes denote conhecimento intelectual ou compreensão correta dos fatos, na grande maioria das ocorrências, seu uso expressa conhecimento pessoal e prático, o conhecimento do relacionamento. Às vezes, “conhecer” significa também intimidade, como em Adão “conheceu” Eva.

Esse conhecimento pessoal e íntimo – o conhecimento do amor – é o que Deus nos oferece hoje. Podemos conhecê-Lo, mesmo sem enxergá-Lo.

Luciana Leite

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s